29 de ago de 2010

Agulhas de lado (não há nada de mal nisto)


Minhas agulhas eventualmente ficam de lado. Isto ocorre por épocas do ano e o tricô até já sabe, quando ele tem que ficar à espera. Não consigo tricotar todos os 12 meses do ano. Pelo mesmo pra mim, esgota-se muitas idéias, o que teço fica sem graça e é tempo de hibernar...
  • O calor atrapalha muito quem gosta (como eu, por exemplo) de tricotar com lã;
  • Quando você percebe, que suas idéias não fluem tão naturalmente, entre pontos e peças, está na hora de dar um tempo e deixar as agulhas de lado;
  • Não se culpe por deixar seu amado tricô, te esperando. Você não vai deixar de ser tricoteira, ou deletar na mente como se tricota...mesmo que depois a gente esqueça, nada o que nos impeça de reaprender depois;
  • O tricô é uma arte dinâmica e não estática;
  • Tem horas que esgota a vontade de traduzir a receita, mesmo que esteja em português. Tem que se ter dedicação para o que queremos criar e tecer e se o contrário acontece, é hora de parar;
  • Procure aceitar quando você tem que dar um tempo para as agulhas. Nada mais saudável de reconhecermos nossas limitações.
  • É bom sentir saudades das coisas que amamos;
  • Tricotar combina com prazer definitivamente e nada tem a ver com frustração, ou perda de energia...
  • Dar um tempo para as minhas agulhas é a promessa de um re-encontro. Quem sabe na próxima temporada, onde o frio esqueta as minhas idéias.

14 de ago de 2010

A difícil arte de tricotar...

Tenho pensado mais do que nunca que tricotar é muito difícil. Tricotar constantemente, exige dedicação, persistência, paciência, criatividade, tempo e mais do que nunca aprender com os erros e tentar aprimorar o que se constroi.
Todas estas coisas, são de fato muito difíceis. Digo difícil porque tricotar é uma arte tão encantadora, que se faltar todos estes ingredientes que envolvem desde as montagens dos pontos, até a peça feita, tricotar tornar-se uma arte com lacunas e que dá a impressão que falta alguma coisa...
Se não persistimos, não há tricô;
Se não nos dedicamos, não aprendemos novas técnicas;
Se não temos paciência, ora...paciência;
E se não temos a nossa criatividade aguçada, a peça perde totalmente o seu encanto.
Aprender com os erros, é necessário que teçamos, que nos enlaçamos e nos envolvemos com o que criamos...nada adiantará, se o nosso tricô, fique apenas em fazer pontos automáticos, repetitivos, mecânicos. Não podemos desfazer desta arte que deveria nos re-novar a cada ponto, não é mesmo?
Tricô é prazer, é inventar receitas, é reciclar fios, é fazer aquela receita fácilzinha, até mesmo tola, mas que nos alegra.
E se não for assim...devemos nos retirar, para que nossa arte não se esvazie...
As agulhas não irão fugir, e nem mesmos as lãs...que outrora nos acolherão, em pontos criativos e em novas idéias...
O tricô, nos dá seu tempo. Assim como temos que mediar o nosso tempo para o tricô.
OBS.: Olhando mais a foto achei interessante a menina que tece, não sei que ela desmancha ou tricota. Seria a tentativa de tricotar, ou parar? Tricô tem destas coisa...

7 de ago de 2010

Lãs grossas também tecem bem

Lãs grossas dão um efeito arrojado nas peças tricotadas. Elas neste inverno estão mais comuns de serem encontrados no mercado de fios, possuindo nuances e cores bem interessantes. Mas se mesmo assim, se você encontrar dificuldade de achar lãs mais grossas, teça sua peça com 2 ou 3 fios juntos, dando um efeito de mesclados combinando tons e cores.



Aqui estão duas sugestões de belas blusas, com a tendência do tricô horizontal o que dá a marca de muitas coleções neste inverno. Os modelos são da revista chilena Tejer La Moda. Um exemplo que lãs grossas também tecem bem e caem bem no visual tricozístico.