4 de jul de 2010

Tricô, uma arte intrigante

Tricô é algo engraçado mesmo...ou poderia também ser considerado intrigante, ou mesmo supreendente. Ou desistente, desanimante, frustrante. Desânimo? Não, não, apenas algo reflexivo, pois tem peças que tecemos e ficam incríveis, a ponto de dizermos "nossa, até parece que não fui eu que fiz". Mas tem também aqueles momentos em que lamentamos em ter escolhido aquela lã, aquele ponto, aquela agulha, ou mesmo chegamos a pensar "porque inventei de fazer justamente, o que eu achava que sabia..."

Tricô é uma arte que não dominamos 100% nunca. Há técnicas que surgem, que ganham outros nomes com o tempo, há pontos com detalhes que desmanchamos muitas vezes e gráficos que nos enganam direitinho. Perguntas que nos invadem, bem na hora do acabamento e lá vai mais uma vez aquela dúvida cruel: mas por que não fecha o número de pontos nesta receita? Logo, tricoteira a desmanchar, re-tecer, re-tomar, re-fazer.

Retomando o que tinha dito no início, tricô é algo surpreedente, pois nos coloca em cheque, nos avalia a nossa capacidade de tentar melhorar cada vez mais, nos dá a oportunidade de nos re-novar, quando erramos quando desmachamos e finalmente, fazemos o certo.

Intrigante pelo motivo pelo qual, por mais que queremos desistir de fazer determinada peça, ainda mais aquela que traduzimos a receita, compramos a lã que julgamos a mais adequada para a confecção do trabalho e mesmo assim, não desistimos (e não desanimamos) de tricotar.

Há na verdade todo um investimento antes de colorcamos em prática nossos conhecimentos, ou desconhecimentos de tecer. E vamos e vamos colocando os pontos na agulha e dando o pontapé inicial...tudo bem, se não der certo a gente desamancha...Ufa...verdade, isto é uma boa garantia que podemos re-fazer e nos re-novar sempre. Com o nosso bom e velho-novo tricô.

6 comentários:

Nile e Richard disse...

Oi Téia.
Gostei do seu comentes e concordo em tudo.
Boa semaninha para voce.
bjtos.Nile.

Janaina disse...

Adorei Júnia!
Você consegue expressar bem os dilemas que todas nós tricoteiras temos.

Bjs e boa semana.

disse...

É... resumiu bem nosso dilema rss e vamos retricotando!
bjinhos

Márcia Palamim disse...

Menina, sempre me pego a divagar sobre esse tema, sabia?
Quero tentar entender o poder que esas duas agulhinhas tem na minha vida. É realmente algo inexplicável o bem que elas me fazem. Mesmo quando as coisas não dão tão certo assim, elas me motivam a querer tentar de outra maneira e mais outra, até ficar a contento. E nisso as horas vão passando, a cabeça vai funcionando e imagino que muita química cerabral do bem vai se formando e tomando conta de mim... Loucura??? Só quem já experimentou é que sabe.
Beijokas e parabéns pelo texto.

Marcia Quadrado disse...

Oi Júnia,

Acho que o tricô sempre nos traz novos desafios, nos faz pensar em melhorar, em buscar a famosa perfeição que nunca chega!

Bjs,
Marcia Quadrado

Ana Paula Mendes disse...

É exatamente isto!
Só quem tricota consegue entender o que você diz tão lindamente.
Tricô faz bem pra alma, pra mente, pro coração... É apaixonante mesmo!
Beijos e me tornei sua seguidora!
Ana Paula Mendes
www.cantodasimplicidade.blogspot.com